Resumo do mercado de banco de dados de código aberto

Rimini Street Staff
3 min. de leitura

O bloqueio que os fornecedores proprietários mais antigos tinham no mercado de sistemas de gerenciamento de banco de dados (SGBD) está se deteriorando constantemente, mesmo diante do crescimento surpreendente do setor.

Globalmente, o crescimento das receitas é extraordinário para a indústria no total. “Desde a sua breve pausa em 2015, o mercado de SGBD voltou a crescer seis anos consecutivos, com os últimos cinco anos crescendo cada vez mais”, escreve Merv Adrian do Gartner no seu blog. “Desde 2017, de $38.6B, o mercado de SGBD acrescentou $40B – duplicando em 5 anos”.

Apesar desse crescimento, os SGBDs proprietários tradicionais estão sendo postos a prova. No início de 2021, os SGBDs de código aberto ultrapassaram as versões licenciadas comercialmente em popularidade pela primeira vez e continuaram na liderança em 2022, de acordo com a DB-Engines. Em maio de 2022, o código aberto continuou a superar os fornecedores em 51,4% a 48,6%, fornecendo uma indicação clara de que a migração de banco de dados de código aberto está abalando o setor de software.

Nos seus primeiros anos, o “open source” era frequentemente visto com cautela pelas empresas – sem dúvida estimulado pela hostilidade dos fornecedores de software proprietário – mas esse não é mais o caso. Juntamente com a adoção generalizada pelas empresas, muitos desses fornecedores proprietários abraçaram – e comercializaram – o código e os benefícios do software open source.

“Se você tem medo de usar o código aberto, é tarde demais”, explicam os analistas da Forrester. “É improvável que você use um produto hoje sem componentes de código aberto. É quase certo que você está lendo isso com um navegador baseado em tecnologia de código aberto, servido por um servidor web que possui um núcleo de código aberto – tudo construído com ferramentas de código aberto.”

O Valor do Compartilhamento de Código 

As raízes do opem source remontam aos primeiros pioneiros que acreditavam que o compartilhamento de código era essencial para a progresso, e as ofertas de SGBD de código aberto realmente começaram a surgir em meados da década de 1990, escreve Guy Harrison em Big Data Quarterly. Mas em 2010, uma proliferação de SGBD de código aberto que são continuamente atualizados pelas comunidades de contribuidores, derrubou o domínio dos fornecedores proprietários.

“Essa explosão de novas tecnologias de bases de dados open source ilustrou dramaticamente a vantagem de inovação do código aberto”, explica Harrison. “Fornecedores como Oracle e Microsoft, pareciam estagnados enquanto a comunidade de banco de dados de código aberto parecia estar se movendo na velocidade da luz.”

Enquanto Oracle Database e Microsoft SQL Server mantém, respectivamente, o primeiro e terceiro lugares no ranking dos DB-Engines, os SGBD open source licenciados constituem seis dos dez primeiros, incluindo o #2 (MySQL) e #4 (PostgreSQL). DB-Engines lista um total de 391 sistemas diferentes de gestão de bases de dados, dos quais 203 são de código aberto e 188 são licenciados comercialmente.

Os 5 principais sistemas open-source, Abril 2022  

Pontuação  Sistema Score  Classificação Geral
1.  MySQL  1204  2. 
2.  PostgreSQL  614  4. 
3.  MongoDB  483  5. 
4.  Redis  178  6. 
5.  Elasticsearch  161  7. 

 (Fonte: DB-Engines) 

Graus de Abertura?  

Rastrear o MySQL pode ser uma proposta complicada. Como Mike Wolfe escreve em Towards Data Science, “Como o MySQL é de propriedade da Oracle, há muitas restrições quando comparado a outros sistemas de gerenciamento de banco de dados relacionais de código aberto”.

A Oracle continua a oferecer um MySQL Community Edition gratuito para uso com uma licença pública geral (GPL) permitindo que os usuários modifiquem o código-fonte. Mas também oferece versões comerciais do MySQL que incluem suporte junto com código proprietário e recursos não disponíveis na Community Edition.

Outras supostas empresas open source também se tornaram mais restritivas. A MongoDB, por exemplo, alterou os termos da licença do seu projecto MongoDB de código aberto em 2018. “Essa alteração, que seguiu uma mudança semelhante introduzida pela Redis Labs, outra empresa de banco de dados, gerou controvérsia sobre se projetos de código aberto que impõem restrições sobre como podem ser usados merecem o apoio da comunidade de código aberto – uma comunidade da qual o MongoDB nasceu e que mudou para sempre o software corporativo na última década”, explica Tom Krazit em um artigo do Protocolo.

Questão Transformadora 

À medida que mais e mais empresas pretendem se transformar por meio de modelos de negócios baseados em software, a questão proprietária versus código aberto pode ser um tema crítico quando novos produtos e serviços chegam ao mercado.

“Os times corporativos não podem inovar em código proprietário, em vez disso, devem contar com os fornecedores para acompanhar as inovações necessárias para ter sucesso em um cenário digital em rápida evolução”, explica Mary K. Pratt, colaboradora da TechTarget.

“Em contraste com o software proprietário de gerenciamento de dados, as opções de código aberto são lançadas sob uma licença que permite aos usuários implantar o código para desenvolver seus próprios sistemas e também atualizar, alterar e modificar para suas próprias necessidades”, continua Pratt.

O código aberto pode fornecer uma maior variedade de plataformas, modelos de dados e fornecedores, bem como opções de serviços de suporte de terceiros. No entanto, cabe aos usuários explorar as opções de licenciamento e suporte, principalmente as restrições de versões comercializadas de software de código aberto. É por isso que tantos recorrem a especialistas externos para ajudar na migração de SGBDs proprietários para evitar os riscos e obter o máximo de benefícios.