Entendendo o RISE com a SAP – e seguindo com cuidado

Dr. Janine Burns
5 min. de leitura

Muitos testemunharam o grande sucesso que a SAP teve durante seu auge, impulsionada por seu foco estratégico nos processos de negócios executados em seu software de engenharia de precisão. Isto levou muitas das maiores empresas do mundo a alavancar a SAP para suas funções de back-office. Como resultado, a SAP acumulou uma invejável base de clientes de mais de 40.000 empresas.

Agora, décadas depois, a SAP anunciou sua última estratégia, “RISE com a SAP”. Esta nova oferta desencadeou muita agitação no setor e levou muitos a questionarem se este anúncio representa mais uma digressão da estratégia outrora bem sucedida da SAP. A RISE se apresenta como se a SAP quisesse ser tudo para todas as empresas, trazendo a ideia de estar mudando seu foco do software ERP líder da indústria para agora fornecer bancos de dados e plataformas e possivelmente invadindo os principais negócios de seus parceiros, tais como serviços de gerenciamento de aplicativos, inteligência de processos e fornecedores de infraestrutura. Todos nós já ouvimos a expressão “Jack off all trades, master of none” – se a SAP não for cuidadosa, ela poderá ver os “mestres” roubando cada vez mais sua participação no mercado.

O que é RISE com a SAP?

RISE com a SAP é outro exemplo da máquina de marketing da SAP. Por trás da comoção, é uma coleção de soluções e serviços já existentes, bem organizados em um pacote, com um laço bonito enrolado ao seu redor. Indiscutivelmente, a SAP parece estar fornecendo a capacidade de contratar software e serviços para todo o seu cenário via SAP.

Em um alto nível, o RISE com SAP agrupa os seguintes componentes-chave:

  1. Serviços gerenciados: Serviços de gerenciamento de aplicativos para software e bancos de dados SAP, serviços de plataforma via SAP Business Technology Platform (BTP) e serviços de infra-estrutura via SAP HANA Enterprise Cloud (HEC) ou o hiperescalador de escolha do licenciado (AWS, Azure, Google Cloud, etc).
  2. Inteligência de processos de negócios: Insights Powered by Signavio, uma empresa que a SAP poderá adquirir nos próximos meses.
  3. Migração para S/4HANA: Incluindo as ferramentas e serviços associados, com o desejo final de converter clientes para a versão SaaS da S/4HANA.
  4. Acesso a uma rede empresarial: Permitir aos clientes ampliar sua pegada SAP utilizando parceiros dentro do próprio ecossistema SAP.

RISE with SAP

Por que a SAP está fazendo esta dança das cadeiras agora? A SAP anunciou seus resultados do terceiro trimestre para 2020 e informou que a receita total caiu US$ 7,7 bilhões, uma perda de 4% em relação ao ano anterior, e seu lucro operacional IFRS diminuiu em 12%. Também anunciou que embora a receita da nuvem tenha crescido 10% (impulsionada principalmente pela Qualtrics), ela caiu 19% em relação ao segundo trimestre.

A SAP também revisou sua previsão e estendeu suas metas de 2023 a 2025. Esse não é um momento muito feliz para a SAP, que viu o preço de suas ações cair 20%. Não é coincidência que o anúncio do RISE tenha sido estrategicamente programado para se alinhar com os resultados do quarto trimestre da SAP – possivelmente uma tática para ajudar a impulsionar um “aumento” em sua receita e preço das ações.

O RISE não é uma solução para todos os problemas

Há vários aspectos deste programa que levantaram suspeitas e justificaram um exame mais minucioso.

Migrar para um novo ERP na S/4HANA não é prioridade para a maioria das empresas.

Este ano marca o sexto aniversário do lançamento do S/4HANA, e apenas cerca de 11% dos clientes SAP migraram para esta plataforma ERP. O pouco sucesso alcançado é devido principalmente aos prazos de fim de suporte e outras táticas questionáveis. RISE com a SAP pode ser uma tentativa de mudar a narrativa a respeito do valor e adoção da S/4HANA, mas ele não resolve os problemas subjacentes – os altos custos, riscos significativos e o ROI potencialmente limitado que continuam a atormentar esta migração duvidosa. Os licenciados da SAP devem continuar a avaliar suas opções para o futuro com base no valor do negócio e entregar iniciativas de inovação e transformação digital usando sua tecnologia de escolha.

Soluções novas e mais modernas estão surgindo.

Embora a SAP continue a destacar que tem milhares de clientes “net-new” S/4HANA, o que não mencionou é o número de clientes que foram perdidos. Analistas também comentaram que a porcentagem geral de SAP em ambientes de TI diminuiu ao longo do tempo. Isso provavelmente se deve ao fato de os clientes SAP adotarem uma estratégia de TI de ponta e integrarem novas soluções em torno de seu núcleo SAP. Essa tendência provavelmente continuará à medida que outros clientes avaliarem sua estratégia de TI, resultando em uma mudança para outros ERP e plataformas de suporte, como Microsoft Dynamics, Salesforce.com etc. Se a SAP está pressionando você a substituir seu ERP, por que não aproveitar esta oportunidade para pesquisar alternativas para o seu negócio?

As empresas querem flexibilidade, o que lhes permite responder às condições do mercado com agilidade.

Muitos já experimentaram bloqueios contratuais em suas vidas pessoais, desde empréstimos bancários até contratos telefônicos – então por que alguém iria querer isto em suas vidas comerciais também? O RISE com a SAP está tentando incentivar os clientes a agregar soluções e serviços em um único contrato baseado em assinatura, desde infraestrutura a serviços de gerenciamento de aplicativos – um esforço ousado da SAP.

É preciso questionar: qual seria a margem adicional, bem como as despesas de gerenciamento, de ter a SAP como principal contratante para outros grandes parceiros? Muitas vezes se ouve dizer que a SAP não é fácil de lidar, e isso tem se tornado cada vez mais comum nos últimos anos. Portanto, a abordagem pragmática seria desafiar seriamente essa aparente estratégia de “lock-in” e continuar a trabalhar diretamente com os outros grandes players para suas soluções e serviços.

Você pode melhorar o TCO através de muitos caminhos diferentes.

A SAP fala sobre a possibilidade de os licenciados conseguirem uma redução de 20% no TCO em cinco anos como resultado da adoção da oferta RISE g [1]. Mas o RISE é apenas um pacote de serviços – não há nada de mágico no que a SAP está propondo. Este TCO em potencial (e provavelmente mais) poderia ser alcançado tomando estas medidas sem um único contrato com a SAP. Um melhor TCO pode ser alcançado por outras vias? Não há nada inovador no que a SAP anunciou; a maioria dos clientes já está investigando esses fundamentos como parte de sua estratégia geral de TI:

  • Eles estão adotando modelos alternativos de suporte, tais como suporte independente, de terceiros, bem como serviços de gerenciamento de aplicações.
  • Otimização de licenças: A realidade é que os licenciados SAP que mudam de suas licenças existentes e perpétuas para modelos de assinatura, em média, dobram suas taxas de manutenção anual atuais[2].
  • Um “lift and shift” para os hiperescaladores tornou-se um projeto mainstream e de baixo risco, com TCO bem acima de 20% em muitos casos[3].
  • Plataformas de integração: Existem muitos fornecedores bem estabelecidos, especialmente para a integração de sistemas não-SAP. Nomes como Mulesoft e Del Boomi vêm imediatamente à mente.

Para finalizar

Restam dúvidas se o RISE com aSAP atende aos desafios do mercado e oferece a seus clientes uma opção melhor para avançar. Embora a SAP possa continuar distraindo com “objetos brilhantes” como o RISE, os licenciados podem manter a calma e se concentrar no que seus negócios precisam alcançar na próxima década, quer isso envolva ou não a SAP.


[1] https://www.sap.com/australia/products/rise.html

[2] Apresentação SAP, SAP Investor Symposium, fevereiro de 2014

[3] Gartner Technical Professional Advice, “How to Develop a Business Case for the Adoption of Public Cloud IaaS,” Novembro de 2018

Tópicos: