Search Icon

CIOs: inovar sem exceder o budget é crucial. Mas é factível?

Jennifer Perry
3 min. de leitura

3 alertas para CIOs em cenários desafiadores

A pandemia trouxe muitos desafios para todas as indústrias e em TI a realidade não é diferente. Por um lado os líderes se tornaram, de forma compreensível, conservadores com os orçamentos, adotando posturas cautelosas em relação aos gastos. Por outro lado, esses mesmos líderes querem e precisam continuar avançando na inovação, buscando a tão desejada e difícil  transformação digital.

Ilustrando o cenário acima, uma recente pesquisa do IDG constatou que 80% dos entrevistados disseram que a pandemia acelerou a demanda por inovação. Porém, ao mesmo tempo, muitos enfrentaram este aumento da demanda com orçamentos reduzidos – mais da metade (52%) disse que a pandemia forçou a redução dos orçamentos de TI.

Este cenário leva muitos CIOs a se sentirem frustrados.  Afinal, inovar sem exceder o budget, em tempos de cortes, é factível?

É este o grande desafio que os CIOs enfrentam neste momento. Como continuar inovando diante das limitações trazidas pela pandemia? A situação atual fez com que os CIOs avaliassem e repriorizassem os investimentos. Por exemplo, projetos radicais e frágeis de atualização ou substituição de ERP estão sendo adiados ou cancelados, já que outras iniciativas com maior impacto organizacional estão competindo pelos mesmos recursos (mão-de-obra, tempo, orçamento). Os CIOs estão analisando quais iniciativas são mais importantes – se não houver um ROI claro e convincente, os projetos estão sendo adiados ou cancelados.

Um dos papéis do CIO também é administrar as expectativas da corporação. Por exemplo,  todo e qualquer   investimento deve ter  em ROI justificável – o CIO precisa conscientizar a organização  de que recursos são valiosos e devem ser estrategicamente destinados aos reais objetivos do negócio. Em outras palavras, todo investimento de recursos precisa valer  muito a pena.

Com todas essas circunstâncias conflitantes em jogo, como os CIOs podem efetivamente retomar o controle do roadmap de TI de sua empresa? Separamos três dicas que podem nortear essa jornada:

  1. Trabalhar em colaboração. Antes, os CIOs e suas equipes tradicionalmente tomavam as decisões de TI sem estratégia e isoladamente, mas isso mudou. Hoje, CIOs e os demais tomadores de decisões trabalham em sintonia, para entender as necessidades e atingirem os resultados esperados.

Projetos de tecnologia bem-sucedidos costumam ser  aqueles em que as equipes de negócios e de TI trabalharam em conjunto para entregar os melhores resultados. Felizmente, muitas organizações entenderam isso e agora os líderes – CFOs e CIOs – têm trabalhado em parceria. Na verdade, uma recente pesquisa da Rimini Street constatou que 77% dos CFOs entrevistados disseram que o cenário desafiador vivido em 2020 propiciou um estreitamento deste relacionamento.

  1. Foco em ganhos rápidos (de alto impacto) que impulsionem a inovação. Uma reação muito comum quando os líderes não gostam de um sistema ou processo é simplesmente substituí-los. Pior ainda, os fabricantes de software podem ser craques em convencer os executivos a acreditar que sempre precisam da melhor e mais atual tecnologia. Quando essas atitudes acontecem, o CIO vira refém do fabricante.

O que os CIOs precisam fazer é focar em projetos de ganhos rápidos e de alto impacto que ajudem o negócio a avançar. Tenha em mente que esses projetos variam de acordo com cada indústria. No varejo, por exemplo, melhorar a experiência de compras online durante a pandemia já é algo que não demora meses para ser colocado em prática e faz bastante diferença no andamento dos negócios, pois a empresa fideliza os clientes e, com isso, se mantém saudável no momento de crise

  1. Lembre-se sempre dos seus usuários finais e clientes. Para obter ganhos rápidos, foque na experiência do cliente. Se você alocar parte do orçamento de TI para tornar as experiências para usuários e clientes cada vez melhor, a satisfação do seu público irá aumentar e, consequentemente, o resultado final.

Há dois fatos que são inegáveis: as consequências da pandemia não vão acabar tão cedo, nem o desejo de continuar impulsionando a inovação. É crucial que os CIOs cultivem relacionamentos de parceria com os demais tomadores de decisão e concentrem-se em ganhos rápidos, porém impactantes, sempre com foco nos clientes e visando suprir suas necessidades e demandas. Essa é uma das fórmulas para se manter ativo no mercado.

*Jennifer Perry é VP global e gerente geral de serviços SAP da Rimini Street

 

Este site foi construído usando padrões web modernos, que não são totalmente compatíveis com seu navegador. Considere atualizar seu navegador.

Atualize hoje